Festival promove concerto para estudantes

Por

Jamerson Soares / Bureau de Comunicação - coord. Keka Rabelo / Fotos: Roberta Brito

21 de outubro de 2022 00:37:19

 Atualizada em

21 de outubro de 2022 11:25:46

 

O segundo dia do Festival de Música de Penedo começou nesta quinta-feira (20) mais animado e festivo. Houve uma apresentação da Orquestra dos Meninos de São Caetano (PE), sob a regência do maestro Mozart Vieira, que entregou intensidade e molejo aos cerca de 450 estudantes da Rede Municipal de Ensino de Penedo presentes no auditório do Centro de Convenções.

 

No auditório do Centro de Convenções, a orquestra tocou músicas que já foram trilha sonora de filme, canções regionais e brasileiras, como a canção Asa Branca, de Luiz Gonzaga e Sinônimos, do cantor Zé Ramalho. O grupo estava trajado com chapéu de cangaceiro e roupas tradicionais do interior brasileiro. Era o retrato da brasilidade em forma de poesia. Havia magia em cada compasso. A orquestra chegou a descer do palco e passear pela plateia em um momento de júbilo.

 

Podia-se ouvir aplausos, gritos, entusiasmo e muitos olhares atenciosos direcionados aos sons dos instrumentos. Além de mostrar o trabalho, o maestro também explicou como cada instrumento funcionava e os seus nomes, em uma ação pedagógica. No repertório, havia frevo, forró, maracatu, melodias eruditas e contemporâneas. Flautin, clarinete, clarinete alto, fagotes, oboé, saxofones, trompa, esses foram alguns dos instrumentos mostrados aos estudantes.

 

Para o maestro Mozart Vieira, que há 45 anos trabalha com música na comunidade e coordena o projeto, foi uma felicidade muito grande ver crianças prestigiarem um concerto pela primeira vez. Ele contou que ficou emocionado.

 

“Estou aqui sem palavras, não tem adjetivo que classifique uma tarde emocionante dessas. O festival nos dá a condição especial de se encontrar com o povo brasileiro. Ver crianças que nunca viram um instrumento musical, que nunca tinham assistido concertos, e conseguirem ver hoje, para mim é de uma felicidade sem tamanho”, disse o maestro, que também revelou que dos 45 anos de trabalho no projeto já saíram grandes profissionais da música.

 

A diretora da escola municipal Santa Luzia, Meire Clesia Ramos estava presente no local e acompanhou os estudantes. Ela é professora há 22 anos pelo município e disse que a escola atende 793 alunos, da educação infantil ao 9º ano. Segundo a diretora, muitos estudantes nunca tinham participado de momentos como esse e ficaram encantados.

 

“Para os estudantes, foi uma honra saber que viriam ao Centro de Convenções, ficaram muito felizes. Ficaram encantados. Muitos não tinham participado de um momento como esse. Foi tudo muito bom e divertido, e também porque está sendo acessível. Foi um momento rico de cultura”, afirmou Meire.

 

Ana Marina e Maria Sofia são estudantes do 7º ano da unidade escolar e têm 13 anos. Elas estavam animadas com a apresentação e contaram que foi a primeira vez que assistiam a um concerto. “É a primeira vez que venho neste lugar. É um lugar muito aconchegante e confortável. A sensação de estar aqui dentro, de ser tocada pelos sons, é muito boa. Foi tudo muito lindo, bem organizado. A organização da orquestra me chamou muita atenção”, disse Ana.

 

Já Sofia contou que achou a orquestra bonita. “Também é a primeira vez que venho aqui e achei tudo lindo e confortável. Achei muito legal e bonito. Não toco nenhum instrumento, mas amo ouvir”, afirmou a estudante.

 

Fórum de Educação Musical e Encontro Cemupe

 

No mesmo dia foi realizado um concerto aberto de saxofone e violão no auditório da Casa de Aposentadoria, com a participação dos músicos e professores Samuel Pompeo (SP) e Thomaz Garcia (EUA), que levaram ao público, de 30 pessoas, uma sensação de harmonia no espaço. Aconteceu no mesmo local o III Fórum Alagoano de Educação Musical e o V Encontro Cemupe de Musicologia.

 

Samuel Pompeo veio de São Paulo para participar do festival. Há 40 anos é músico e toca saxofone. Ele acredita que o festival tem ficado cada vez maior com o passar do tempo e ficou feliz pelo convite.

 

“Esta é a minha terceira passagem pelo festival e o que posso dizer é que tenho ficado feliz a cada volta. Para mim é uma felicidade está aqui e ver a música sendo tratada com repeito, se discutindo sobre o futuro dela, as possibilidades nas mais variadas vertentes. Parabéns a todas as pessoas envolvidas neste trabalho”, disse o músico.

 

Logo depois do concerto, aconteceu o fórum de Educação Musical,com as ilustres presenças e participações dos professores Thomaz Garcia (EUA), David Cranmer (Portugal), Dionísio Neto (SP), Nilton Souza (AL), Aldo Leoni (SP), Jill Osborne (EUA) e Samuel Pompeo (SP).

 

Foram discutidos assuntos referentes ao modo de fazer Música em Alagoas, noBrasil e fora do país, como também os desafios futuros na educação por meio da música nas escolas e nas universidades.

 

Vanilson Coelho, músico e diretor artístico do festival, acredita que é relevante trazer essas discussões e performances para quem gosta da área. “É importante trazer o choro, o violão, a questão do duo do violão e saxofone. É muito importante até para aquelas pessoas que estão fazendo música. É uma troca de conhecimento e cultura, como também na questão musical”, disse.

 

Feira de livros com Música

 

Ainda nesta quinta, o Trio Potiguar, composto pelos maestros João Paulo, Paulo César PC e Gilvando Pereira, se apresentou para centenas de pessoas no Largo São Gonçalo. Ao mesmo tempo que estava sendo realizada uma feira de livros. Foram montados estandes com obras do selo Cemupe, camisas e objetos do Festival de Música de Penedo.

 

Para mais informações, acompanhe o instagram do Festival: @festival_musica_penedo

 

Matéria escrita por Jamerson Soares, do projeto Bureau de Comunicação da Ufal, com a coordenação e assessoria de comunicação Keka Rabelo, coordenação geral de Manuela Callou sob orientação de GT de Comunicação com Festival de Música de Penedo e Centro de Musicologia de Penedo - Cemupe/UFAL

ANEXOS

MÍDIA