Ancestralidade e território são temas de livro

Por

Sérvio Túlio / Bureau de Comunicação Comunitária - coord. Keka Rabelo / Fotos: Jadir Pereira, Keka Rabelo e Renato Polly

19 de outubro de 2022 20:34:26

 Atualizada em

20 de outubro de 2022 16:45:24

 

Até sábado (22), Penedo estará sendo sede de mais um Festival de Música, evento que reúne shows, concertos, recitais, oficinas e mesas-redondas, publicações, fóruns, dentre outras programações culturais. A realização do evento conta com o apoio da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), o Governo de Alagoas, a Prefeitura de Penedo e o Centro de Musicologia de Penedo (Cemupe). O festival começa nesta quarta-feira (19), com o show de abertura do cantor Guilherme Arantes.

 

Além das diversas programações culturais, o evento está contando com o lançamento de livros de variados temas, que foram possíveis de serem publicados através do apoio do selo Cemupe de publicações em parceria com a Secretaria de Cultura e a Editora Pimenta Cultural. Um desses livros se chama “Lunga”, de Luiz Almeida, que reúne temáticas como quilombolas, sua ancestralidade e sua sobrevivência no agreste alagoano, como é o caso da Comunidade Quilombola Poços de Lunga, município de Taquarana/AL.

 

O selo do Cemupe é uma atividade para abrir espaços para novos autores, onde os mesmos podem apresentar suas publicações dentro do Festival de Música. Segundo Marcos Moreira, coordenador geral do Festival: “as temáticas são diversas, além de musicologia, temos educação musical, temos história de Alagoas, temos história social, então é por isso que estamos lançando 5 livros!”, aponta o coordenador.

 

“Lunga”: o retrato da luta da sobrevivência dos quilombolas do agreste alagoano

 

O livro escrito por Luiz Almeida faz um retrato da comunidade quilombola do agreste alagoano, como o Quilombo Lunga. Passando por Lunga, os Bangas, os Mamelucos e as demais comunidades quilombolas da região do Rio Lunga que são sobreviventes históricos dos povos negros que lutaram pela liberdade e pela vida. O autor relata a importância de trazer essa temática ao Festival de Música: “é importante e de bom senso que o Festival de Música de Penedo venha resgatar esse registro diverso sobre a cultura do povo negro que nos influi em tudo. Vivamos com alegria e respeito às danças e aos sons de nossos irmãos quilombolas em Alagoas!”, conclui.

 

Sobre o autor Luiz Almeida

 

Graduado em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Alagoas em 2010, militante no movimento negro e estudantil desde a década de 90, Luiz Almeida colaborou para o reconhecimento e certificação das comunidades quilombolas do rio Lunga a Serra dos Bangas. Como agente cultural, desenvolveu projetos com as ceramistas da Passagem do Vigário, o Consciência Lunga e com a ancestral Festa do Meado de Agosto. Atualmente, é funcionário público do governo do estado de Alagoas na área da saúde.

 

Sobre a luta quilombola ao redor do Rio Lunga

 

A luta quilombola não é recente, existe há anos, e ainda há uma dívida pela ânsia da liberdade e a batalha da sobrevivência por essas comunidades. Mestra Antônia do Espírito Santo, carinhosamente chamada por Tonha, acompanha desde criança o crescimento da Comunidade Quilombola Poços de Lunga. Desde os 6 anos de idade, cozinha para os convidados para os convidados da bicentenária Festa do Meado de Agosto, organizado pela mestra Firmina Mercê de Jesus, primeira educadora popular do Quilombo Lunga, falecida no ano de 1980.

 

Segundo Tonha, “essa comunidade tem uma história linda! Falar do rio Lunga, foi onde tiramos o sustento para essa família quilombola. Falar do Umbuzeiro Sagrado, que é bicentenário, é um pai, é uma mãe, foi quem ajudou na alimentação dessa comunidade, onde todos vinham colher o fruto maduro para alimentar os filhos.”, a…

 

Sobre o Festival de Música de Penedo

 

O evento está acontecendo entre os dias 19 a 22 de outubro, e contando com diversas programações realizadas na cidade de Penedo, como shows, concertos, recitais, oficinas e mesas-redondas, publicações, fóruns, dentre outras programações culturais.

 

Para saber mais sobre o evento, acompanhe pelo Instagram: @festival_musica_Penedo e @cemupemusicologia. Acesse também o site oficial do evento: www.cemupemusicologia.com.

 

Matéria escrita por Sérvio Túlio, do projeto Bureau de Comunicação da Ufal, com a coordenação e assessoria de comunicação Keka Rabelo, coordenação geral de Manuela Callou sob orientação de GT de Comunicação com Festival de Música de Penedo e Centro de Musicologia de Penedo - Cemupe/UFAL

ANEXOS

MÍDIA