Último dia de festival começa com desfile de banda

Por

Jamerson Soares / Bureau de Comunicação - coord. Keka Rabelo / Fotos: Roberta Brito e Sérvio Túlio

22 de outubro de 2022 16:42:47

 Atualizada em

22 de outubro de 2022 16:44:25

 

 

O último dia de Festival de Música de Penedo começou resgatando as tradições e memórias musicais do interior do Nordeste. Na manhã deste sábado (22), as ruas históricas da cidade foram tomadas pelos prenúncios do carnaval, com desfiles e encontros de bandas fanfarras de Pernambuco, Paraíba e Alagoas.

 

A primeira apresentação foi do maestro Mozart Vieira, que junto com a sua banda, protagonizou a regência de um coral de vozes e instrumentos de sopro, como clarinetes, trompetes e trombones, em frente ao Teatro Sete de Setembro. Também estavam presentes as bandas Sociedade Musical São Miguel (PB), Sociedade Musical Curica (PE), Banda Montepio (AL), Sociedade Penedense (AL) e Banda Fênix (AL).

 

Um dos integrantes da Orquestra dos Meninos de São Caetano (PE), Daniel Zanardo, de 26 anos, contou que há 10 anos toca junto com o maestro Mozart. Ele expressou alegria ao falar sobre a participação da banda no festival e contou que se surpreendeu com o crescimento do evento.

 

“O Festival de Música de Penedo tem acolhido bastante a nossa orquestra, junto com o Mozart Vieira. A gente se surpreende a cada ano. O festival vem crescendo muito e isso é ótimo. É muito enriquecedor aprender com professores que vêm de outros estados e países. Tudo isso enriquece tanto o nosso currículo quanto o nosso conhecimento em si. Gostei muito”, contou Daniel.

 

Logo depois, todas as bandas e o público se embalaram pelo ritmo e seguiram pelas ruas do comércio, passando no Largo de São Gonçalo, pela parte da frente da cidade, próximo à igreja, na Rua do Cais, Rua da Balsa, pelo Banco do Brasil, subindo as ladeiras de pedra para a Casa de Aposentadoria. O grande encontro aconteceu na praça Barão de Penedo. Mais de 50 pessoas prestigiaram o evento.

 

Era possível ver a passagem do tempo em cada som de instrumento e passo de frevo. Era uma espécie de resgate dos anos 60, com as pequenas bandas de música dos bairros, dos interiores do Nordeste, que levavam o público, em celebração, às ruas por dias melhores. Em frente a Casa de Aposentadoria, crianças, adultos e idosos ficavam em êxtase e atentos ao assistir a apresentação, como uma forma de reverência.

 

Para Marcos Moreira, coordenador do festival, o encontro de bandas é o início de todo cenário musical de um povo. Ele contou que foi reservado o sábado para as bandas como uma forma de homenagem.

 

“O encontro de bandas é muito importante para o festival de música. O festival começou inclusive com as bandas, na jornada de música. Mas como ele ampliou para um festival plural com todas essas atividades, decidimos fazer um núcleo no sábado pela manhã, em homenagem a essas bandas. Para nós é uma grande satisfação ver as ruas cheias de celebração. A cultura das bandas de música deve ser mantida porque essas bandas foram o celeiro da escola dos grandes músicos brasileiros do interior, e que fomentaram grandes músicos que foram depois para a capital”, disse Marcos, que complementou citando um escritor brasileiro.

 

“Tudo isso é um resgate da memória e da história dessas bandas. É um conservatório do povo, como dizia o escritor Vicente Sales”.

 

’Hoje Penedo está uma maravilha’

 

Por ter acontecido no Centro de Penedo, diversos moradores, comerciantes, turistas e participantes do festival acompanharam a caminhada, como um bloco de carnaval.

 

Maria Isadora, de 38 anos, foi uma das moradoras de Penedo que acompanhou o percurso das bandas. Ela contou ficou feliz por ter visto a organização do evento. “Hoje Penedo está uma maravilha, tudo bonito. Todas as bandas lindas, organizadas. Está tudo maravilhoso”, disse Maria, com um sorriso do tamanho do mundo.

 

Outra pessoa que estava presente foi Ricardo Bastos, que é de Arapiraca, mas chegou em Penedo para prestigiar o evento. “Queria parabenizar o pessoal que organizou o festival pela qualidade do evento nesta edição. Espero que 2023 seja ainda melhor e, se possível, com mais dias de festival. Eventos como esse movimentam a cidade e sua economia. Foi um evento fantástico”, revelou Ricardo.

 

Antônio Eduardo é professor da Universidade Católica de Santos (UCS) e participou do festival ministrando a oficina “Caminho da Música Contemporânea”. Ele também assistiu os desfiles das bandas e contou que o festival tem se tornado uma referência nacional e internacional.

 

“As bandas na região Nordeste são um elemento extremamente importante e que integra as novas gerações, a cultura popular, a uma cultura que está enraizada e que deve ser incentivada. A cada ano o festival vem cada vez mais fortalecendo a importância da integração entre cultura, a comunidade, o turismo, a formação, sobretudo na valorização da cultura regional”, disse o professor.

 

Confira o que ainda tem de programação

 

A programação do Festival de Música de Penedo continua acontecendo na tarde deste sábado, com fóruns Afrobrasileiro, de Música, sessões de debates, desfiles de bandas de frevo e shows musicais.

 

A partir das 13h30h, no Centro de Convenções, acontecerá a finalização das oficinas, com apresentações musicais e culturais. Às 14h30, haverá o Encontro de Maestros Movimento Viva a Banda, com a presença dos professores Fernandinho Cruz (UFRR), maestrina Elizete Pires (SP), Luiz Ipólito (SP) e Juliana Soares (SP). O encontro acontece no auditório da Casa de Aposentadoria.

Também às 14h30, será realizado no Teatro Sete de Setembro, o I Fórum Afrobrasileiro musical do Velho Chico, com uma sessão de debates sobre a ancestralidade preta na música e uma apresentação do grupo afro Abí Axé Egbé, do Campus Sertão (Ufal).

 

O grupo Timbodé, composto por Jair Mendes (França-BR) e Ualex Barra (AL), fará uma performance, às 16h, com instrumentos de percussão nas ruas do Centro de Penedo. Às 17h, o projeto Vidança – Música e Dança para todos, sob coordenação da prof. Samara Santos (AL), também fará uma apresentação no Largo São Gonçalo.

 

O Palco da Música vai receber mulheres profissionais da música, às 18h, no Largo São Gonçalo, para um encontro musical e festivo. “O Palco é Delas” contará com a cantora Mel Nascimento (AL), Rafaela Quintino (AL) e convidadas, com participação especial de Theresa Feitosa (CE) e Dani Dantas (RN).

 

À 20h, no Centro de Convenções, acontecerá o encerramento da Feira de Música e às 20h30 o encerramento oficial do Festival de Música de Penedo, com a apresentação de Seção de Cordas da Orquestra de Sinfônica da Ufal, sob regência de Nilton Souza. Um recital de piano com o músico Lucas Thomazinho (SP) também será realizado no local.

 

O Festival de Música de Penedo é uma realização da UFAL através do Centro de Musicologia de Penedo, em parceria com Governo do Estado de Alagoas e Prefeitura Municipal de Penedo, Patrocínio SEBRAE Parceiros: Lamus - Laboratório de Musicologia, Cesem - Centro de Estudos de Sociologia e Estética Musical, Confederação Musical Portuguesa, Arizon State University, Miami University, República Portuguesa, Bureau de Comunicação Comunitária, Keka Rabelo Comunicação e Agerrp-UFAL (Agência Experimental de Relações Públicas da UFAL).

 

📌Sigam nossas redes:

@festival_musica_Penedo

@cemupemusicologia

Site: https://www.cemupemusicologia.com

 

Texto escrito por Jamerson Soares, do projeto Bureau de Comunicação da Ufal, com a coordenação e assessoria de comunicação Keka Rabelo, coordenação geral de Manuela Callou sob orientação de GT de Comunicação com Festival de Música de Penedo e Centro de Musicologia de Penedo - Cemupe/UFAL

ANEXOS

MÍDIA